CRECI/RO e SEBRAE se reunem para discutir o mercado imobiliário comercial do Estado

reunião sebrae

CRECI e SEBRAE Rondônia se reúnem para discutir sobre melhorias no ambiente de negócios entre empreendedores locatários e inquilinos dos principais centros comerciais do Estado.

Segundo o presidente do CRECI/RO, Júlio Cesar Pinto, o momento Econômico que o Brasil está vivenciando requer ações inéditas, imediatas e mudança de paradigmas de corretores, locatários, governo e terceiro setor para que os empreendedores envolvidos no processo mantenham o patrimônio rentável e o varejo continue com CNPJs ativos.

Ainda, de acordo com a analista e gerente de políticas públicas do SEBRAE, Silane Guedes, "para acompanhar as mudanças de modelos de negócios inovadores criados já na era da Revolução Tecnológica mundial entitulada de indústria 4.0, se faz necessário repensar as estratégias para se estabelecer uma relação de ganhos entre os Empreendedores do mercado imobiliário e do varejo, haja vista, que muitos negócios estão deixando de ter pontos físicos e foram agora para o mercado virtual, e outros passaram a ser na modalidade de coworking ou negócios compartilhados".

A Corretora Geza pontuou que até mesmo os bancos estão deixando de financiar a compra de prédios comerciais, devido a mudança no mercado "ao observar as avenidas das principais cidades do Estado é possível notar que existe diversos imóveis vazios, por outro lado, existe pessoas querendo empreender, é preciso encontrar o ponto de intercessão que unirá as duas partes para revitalização dos centros comerciais e contribuir para geração de emprego", afirma a corretora. 

Está acontecendo mudanças mundiais que estão impactando o faturamento do comércio e consequentemente a geração de taxa de ocupação de imóveis, emprego e renda.

 As propostas de mitigação dos impactos em Rondônia estão sendo colocadas na mesa e o debate está sendo aberto aos atores envolvidos direta e indiretamente. O CRECI/RO neste momento de instabilidade, reforça seu compromisso com a classe e sua responsabilidade social ao provocar essa interação entre as partes que compõem um contrato de aluguel e se coloca a disposição para debater o assunto com demais entidades e partes interessadas. O objetivo é buscar alternativas para o fortalecimento do comércio em Rondônia.

 

FONTE: SEBRAE